Líder do tráfico na fronteira entre Brasil e Paraguai é condenado a 40 anos de prisão

Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, mais conhecido como Minotauro, foi condenado pela Justiça Federal a 40 anos de prisão. O traficante era o responsável pelo tráfico na fronteira entre Brasil e Paraguai.

Minotauro é considerado o sucessor de Jorge Rafaat Toumani, o qual comandava o tráfico de drogas e armas na fronteira, mas foi assassinado em 2016.

A Justiça também condenou, no mesmo processo, Vitor Figueiredo de Oliveira, sua esposa, a advogada paraguaia Maria Alciris Cabral Jara e o piloto do avião de Sérgio, Emerson da Silva Lima.

Minotauro recebeu a sentença de 40 anos e 9 meses de prisão. Ele foi enquadrado nos crimes de organização criminosa transnacional, tráfico de drogas e falsidade ideológica.

A investigação apontou que o narcotraficante tinha como sede da organização Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. No entanto, ele transitava por Paraguai, Bolívia e pelas cidades brasileiras de Santos, no litoral paulista, e Paranaguá, no Paraná.

Leia mais na ISTOÉ

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz do Iguaçu defende fortalecimento no enfrentamento a pandemia nas cidades do extremo oeste

Hospital Municipal Padre Germano Lauck é a principal referência no atendimento dos casos da covid na região

O prefeito de Chico Brasileiro defendeu nesta quarta-feira, 10, a instalação de mais leitos de UTI no extremo oeste já que há um recrudescimento de casos da covid-19 nas cidades – Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Medianeira, Matelândia, Missal, Ramilândia, Itaipulândia e Serranópolis do Iguaçu – da 9ª regional estadual de saúde. O hospital municipal Padre Germano Lauck é a única referência pública de toda região no tratamento da doença.

“Apesar do início da vacinação ainda não é momento de baixar a guarda. Os números de casos tem aumentado e isso tem preocupado. Foz do Iguaçu é a cidade referência para os demais municípios, e por isso, temos que trabalhar juntos com muita responsabilidade para diminuir os índices de internamentos hospitalar”, disse Chico Brasileiro na reunião com gestores de saúde na sede do Consórcio Intermunicipal de Saúde Iguaçu em Medianeira. O encontro foi convocado a pedido de Brasileiro.

Na reunião foram discutidas alternativas para ampliar o número de leitos na regional, implantação de medidas preventivas e de monitoramento dos casos, além de uma ação conjunta para inibir as aglomerações na região. “Passamos por um momento muito delicado e o consórcio defende soluções para melhorar os atendimentos à população da região”, disse o presidente do consórcio e prefeito de Missal, Adilto Ferrari.

Oficinas
Gestores de saúde de Foz do Iguaçu apresentaram um breve panorama das estruturas do hospital municipal que apesar do subfinanciamento – custeio extra absorvido pela prefeitura – aumentou de 17 para 50 leitos exclusivos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para covid e possui uma das melhores estruturas hospitalares do Brasil.

“Esses encontros são importantes porque também orientam os gestores como enfrentar a pandemia em vários aspectos. Relatamos a realidade de cada cidade, além de promover um amplo debate, expor as demandas e as dificuldades. Essas oficinas realizadas aqui são uma base de apoio para toda equipe de saúde”, disse Rosa Jeronymo, secretária de Saúde de Foz do Iguaçu.

O encontro prossegue nesta quinta-feira, 11, com as oficinas de orientação sobre o orçamento e financiamento e o controle social, ambos no SUS. Na quarta-feira, os gestores foram orientados sobre as atualizações da base legal do SUS, responsabilidade sanitária e instrumentos de gestão.

“As oficinas colocam os secretários de saúde a par das atualizações de sistemas, novas normativas e as portarias que atendem o estado e os municípios da região”, destacou Ielita Santos, chefe da 9ª Regional de Saúde.  O presidente da Fundação Municipal de Saúde, Sérgio Fabriz, também participou da reunião.

Saúde divulga notas da seleção de médicos residentes em Foz do Iguaçu

A Secretaria Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu disponibilizou nesta segunda-feira, 8, as notas da prova da segunda fase da seleção para o programa de residência médica. “A prova teórica foi aplicada no final de janeiro e agora estamos divulgamos a nota dos candidatos que participaram da fase de análise curricular e entrevista”, disse a secretária Rosa Jeronymo.

A seleção foi realizada em duas etapas pela Diretoria de Residência Médica: prova de suficiência teórica, entrevista e análise curricular. Foram 85 inscritos, 65 deles participaram das duas fases da seleção. O resultado final e a convocação da seleção será publicada na quinta-feira, 11.

A presidente da comissão, Luz Marilda Cardona, especificou as vagas oferecidas: Cirurgia Geral (02), Clínica Médica (10), Medicina em Família e Comunidade (04), Ortopedia e Traumatologia (02), Pediatria (02) e Psiquiatria (03). “Os aprovados terão bolsa/remuneração, o valor da bolsa do governo federal é de R$ R$ 3.343,53 para 60 horas semanais”.

Cada programa de residência médica tem um coordenador, um supervisor e um total de 14 preceptores. A Comissão de Residência Médica (Coreme) da Prefeitura de Foz do Iguaçu conta atualmente com 93 profissionais à disposição, para ensinar aqueles que estão ingressando na medicina.

Luz Marilda destaca a importância dos residentes na saúde pública municipal. “A residência médica garante ao profissional uma experiência mais completa, ajuda a melhorar o sistema de saúde pública e a qualidade de vida da população que atende. Hoje, por exemplo, 100% do atendimento realizado na ortopedia do Hospital Municipal Padre Germano Lauck é feito por residentes”.