Com incentivo do Estado, Renault anuncia investimento de R$ 1,1 bilhão no Paraná

O Paraná vai receber uma nova série de investimentos da Renault do Brasil. A montadora pretende aplicar R$ 1,1 bilhão no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), até 2022. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (01) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior em ato simbólico, no Palácio Iguaçu, com o presidente da montadora no País, Ricardo Gondo.

O valor será destinado para a renovação de veículos da atual portfólio da empresa de origem francesa e também na formatação de um motor 1.3 turbo, de três cilindros. A Renault estipula entregar ao mercado cinco novidades até a metade de 2022, além do lançamento de dois veículos elétricos. A empresa conta com o apoio institucional por meio do programa de incentivos fiscais do Estado.

“A Renault acredita no Paraná e no Brasil. Isso é mais geração de emprego no nosso Estado. Nos sentimos orgulhosos de participar de alguma maneira deste momento tão simbólico e importante para uma das maiores empresas do País e do mundo”, afirmou Ratinho Junior.

O governador lembrou que, mesmo em um ano marcado pela pandemia, o Paraná abriu 52.670 vagas de emprego em 2020. Esse foi o segundo melhor resultado do País, com apenas 380 contratações a menos do que Santa Catarina. O Estado foi responsável por 36,9% do resultado nacional no ano passado, que foi de 142.690 novas vagas.

Paraná encerra 2020 com 52,5 mil empregos

“Superamos o deficit ocasionado pela crise sanitária e ainda conseguimos ter um saldo positivo. Esperamos que com a vacina tudo volte à normalidade e o Paraná possa continuar abrindo postos de trabalho e se desenvolvendo”, disse o governador.

INDÚSTRIA – Ratinho Junior ressaltou ainda o poder de recuperação da indústria paranaense. A produção no Estado fechou dezembro de 2020 com crescimento de 2,8% em relação a novembro, oitavo mês consecutivo com resultado positivo, superando a queda do período mais restritivo da pandemia do novo coronavírus. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O valor é superior ao resultado do Brasil, que teve crescimento médio de 0,9% em dezembro. “Torcemos para que a Renault ganhe cada vez mais mercado e possa ajudar o Paraná a seguir nesta linha de expansão”, afirmou Ratinho Junior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba e Foz do Iguaçu na lista dos principais destinos turísticos do Brasil

Curitiba e Foz do Iguaçu estão entre os 21 destinos listados pelo Ministério do Turismo como tendência para 2021. De acordo com o levantamento, a valorização do turismo doméstico foi uma das tendências identificadas no comportamento do turista pós-pandemia da Covid-19.

O resultado teve como base os principais sites de pesquisa do setor, além de publicações e dos destinos que se alinham à demanda do novo turista. A mesma publicação elencou o Cerrado brasileiro como único destino brasileiro indicado na lista de 25 melhores viagens para planejar no futuro.

A região Sul do País tem quatro destinos na lista do Ministério do Turismo: Curitiba, Foz do Iguaçu, Florianópolis (SC) e Gramado (RS). Eles seguem a tendência de comportamento identificada em viajantes pós-Covid, de optar por locais de natureza ou com foco no turismo rural.

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, afirmou que o Paraná tem diversos ramos dentro do turismo, como o religioso, gastronômico, rural, de negócios, entre outros. “A pandemia mostrou o peso do turismo dentro da matriz econômica do Estado. Nós temos atrativos ligados ao meio ambiente, justamente o ramo que mais vai crescer no mundo, após a pandemia”, disse.

De acordo com o site Booking, 59% dos entrevistados pretendem ir para um destino de natureza próximo. Ainda segundo o buscador, outra forte tendência é a opção por viagens rápidas, ou seja, três em cada quatro (73%) brasileiros querem fazer viagens mais curtas em 2021 do que fizeram em 2019.

Para João Jacob Mehl, diretor-presidente da Paraná Turismo, vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, a pesquisa vem ao encontro com o trabalho realizado desde março de 2020, para a retomada do turismo pós-pandemia.

“A ecologia está dentro do trabalho que já estamos fazendo, principalmente com o turismo rural, ciclismo e religioso. A regionalização do turismo mostra as belezas do Estado e estamos há um ano trabalhando em cima disso, para fazer com que as pessoas conheçam as belezas do seu próprio Estado”, afirmou.

De acordo com ele, a expectativa é promover atrativos em diversas regiões do Estado, em uma ação com apoio do Ministério do Turismo. Mais informações sobre o turismo do Paraná podem ser consultadas no site VIAJE PARANÁ.

CURITIBA – De acordo com informações do site, a Capital do Estado foi eleita a cidade mais inteligente do Brasil. É a maior do Sul do País, com quase 2 milhões de habitantes e referência em qualidade de vida.

São mais de 30 parques e bosques para todos os gostos e com atividades para todas as idades. Os lugares mais visitados são o Parque Jardim Botânico, o Museu Oscar Niemeyer e o Parque Barigui.

Outros exemplos de museus, teatros e locais de shows são Ópera de Arame, Pedreira Paulo Leminiski e Teatro Guaíra. Para quem gosta de feiras, Curitiba tem opções de sobra, com comidas típicas, roupas e artesanato. O destaque é a Feira do Largo da Ordem, que acontece todos os domingos no Centro Histórico da cidade.

O turista encontra a Linha Turismo, um ônibus com roteiro com 24 paradas nos pontos mais interessantes a serem visitados da cidade por um período de 24 horas e uma única passagem. Entre os locais a serem visitados, estão também o Passeio Público, a Rua 24 Horas, o Parque Tanguá, a Ópera De Arame, a Torre Panorâmica, o Bosque do Alemão, o Bosque João Paulo II o Museu Ferroviário.

FOZ DO IGUAÇU – O município abriga uma das sete maravilhas do mundo: as Cataratas do Iguaçu, um complexo de 275 quedas que se estendem por quase cinco quilômetros do Rio Iguaçu.

Com aproximadamente 260 mil habitantes, no extremo Oeste paranaense, a cidade fica na chamada tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. É um dos destinos turísticos mais importantes do País e o mais visitado por estrangeiros do Paraná.

A cidade dispõe de uma média de 27 voos diários. A Terra das Cataratas também possui um dos maiores parques hoteleiros do Brasil. São aproximadamente 28 mil leitos em hotéis e a realização de eventos também movimenta o destino.

Foz abriga, ainda, a Hidrelétrica de Itaipu, a maior do mundo em geração de energia; o Parque das Aves; o Marco das Três Fronteiras; o Templo Budista; e outros atrativos.

BRASIL – De acordo com o levantamento do Ministério, o Sudeste e o Nordeste lideram a listagem com sete destinos. Angra dos Reis (RJ), Belo Horizonte (MG), Petrópolis (RJ), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Sebastião (SP) e Ubatuba (SP) formam o roteiro do Sudeste. No Nordeste, aparecem João Pessoa (PB), Ipojuca (PE), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Seguro (BA) e Salvador (BA).

“O levantamento reforça que estamos no caminho certo para que a retomada aconteça. O turismo doméstico tem um enorme potencial que merece ser conhecido pelos brasileiros e com esse foco que o Ministério do Turismo vem trabalhando – oferecer melhor infraestrutura, serviços cada vez mais qualificados e seguindo os protocolos de biossegurança”, afirmou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

Toque de recolher no Paraná deve ser prorrogado por mais dez dias, diz Beto Preto

toque de recolher no Paraná deve ser prorrogado nesta segunda-feira (28) por mais dez dias, segundo o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

De acordo com o secretário, a medida, que proíbe a circulação de pessoas das 23h às 5h, ajudou a diminuir o número de internações por acidentes em cerca de 40%.

“O toque de recolher tem sido efetivo. Com esses dados nas mãos e também com os aspectos epidemiológicos, com a curva de casos, possivelmente vamos, sim, ampliar por mais dez dias o decreto”, afirmou Beto Preto.

Leia mais no G1